Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog_Real - O Blog das Monarquias

Siga as actividades da realeza e fique a conhecer melhor as monarquias da Europa e do Mundo.

Blog_Real - O Blog das Monarquias

Siga as actividades da realeza e fique a conhecer melhor as monarquias da Europa e do Mundo.

Entrevista do Príncipe Rafael do Brasil à “Point de Vue”

18.08.16, Blog Real

Após a entrevista realizada pelo jornal alemão “Frankfutter Allgemaine”, foi a revista francesa “Point de Vue”, especializada em nobreza, que entrevistou o Príncipe Dom Rafael do Brasil, que falou sobre a sua infância, educação, carreira, vida pessoal, sobre os Jogos Olímpicos, o seu futuro como Chefe da Casa Imperial do Brasil e das suas perspectivas em relação à Restauração da Monarquia no Brasil.

“Não sou obcecado por meus direitos ao Trono”conta o Príncipe Dom Rafael de Orleans e Bragança.

“Eu cresci em Petrópolis, onde vivi até o vestibular, quando vim para o Rio de Janeiro, fazer meus estudos universitários. Vivia com minha avó paterna, Dona Maria Elisabeth da Baviera. De 2005 a 2010, frequentei a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Ao fim dos meus estudos, estagiei na AmBev, como engenheiro de produção. É uma companhia brasileira que se fundiu com um grupo belga, formando a AB InBev, a maior cervejaria do mundo, dona das famosas marcas Coronna, Leff e Budweiser.”

Desde então, o Príncipe vem trabalhando como national pricing manager [responsável pelos preços dos refrigerantes produzidos pela empresa], e vive a maior parte do ano na outra grande cidade do Brasil, o centro económico do País: “Eu amo São Paulo. Costumo comparar a cidade com Nova York; há os melhores restaurantes e os hotéis mais sofisticados. Com os seus arranha-céus, é uma verdadeira selva urbana.”

Mas quem é esse jovem brilhante? Dom Rafael é filho de Dona Christine de Ligne, sobrinha do Grão-Duque Jean de Luxemburgo, e de Dom Antonio de Orleans e Bragança, o sétimo filho de Dona Maria Elisabeth da Baviera e de Dom Pedro Henrique de Orleans e Bragança, herdeiro do Trono do Brasil de 1921 a 1981.

À época, os direitos passaram para o seu irmão mais novo, Dom Luiz de Orleans e Bragança, do chamado Ramo de Vassouras. Dom Rafael é seu bisneto e, atualmente, quarto na Linha de Sucessão, atrás de seu pai, Dom Antonio, e de seu tio, Dom Bertrand. Seu outro tio, Dom Luiz Gastão, Chefe da Casa Imperial, não tem descendência, e parece, portanto, que o jovem Príncipe será, um dia, o herdeiro do Trono.

“Na verdade, é uma estranha mistura entre um fardo e uma honra. Tenho muito orgulho de ser membro da Casa Imperial do Brasil. E confesso que, desde que eu era pequeno, meus pais me diziam: ‘Esteja preparado, Rafael, um dia, você poderá ser o Chefe da Casa Imperial!’ Mas deixo meu destino nas mãos de Deus.”

Entrementes, o jovem de trinta anos multiplica o número de suas viagens, que, no seu caso, parecem ser verdadeiras maratonas. “Gosto de descobrir novos lugares. Há três anos, viajei pela América Latina. Fui ao Peru, Bolívia e Chile. No ano seguinte, estive na Argentina e na Venezuela. Em fevereiro último, fui conhecer a Ásia. Visitei Cingapura, Birmânia e Camboja. Eu esperava terminar aquela maravilhosa jornada na Tailândia, mas, quando havia acabado de chegar, o escritório me chamou de volta ao trabalho. Tive que retornar ao Brasil bem depressa.”

E onde ele encontra comida japonesa, sua culinária favorita? “Aqui é perfeito, pois temos belos peixes, de modo que podemos fazer um ótimo sushi”, conta, rindo, Dom Rafael, que não fala japonês, mas é fluente em inglês e arrisca um pouco de alemão. Ele conversa em português com seu pai e em francês com sua mãe, que é belga. Seu espanhol é imperfeito, e ele considera que fala “portunhol”, uma mistura entre os dois principais idiomas da América do Sul!

Grande fã do desporto – golfe, ténis, squash e futebol –, Dom Rafael está ansioso para comparecer aos Jogos Olímpicos, pela primeira vez no Brasil, algo que lhe encanta: “Espero assistir, principalmente, às competições de remo, que serão realizadas na Lagoa, bem aqui do lado. Também quero ver o atletismo, a vela e o futebol. Tenho sorte de trabalhar em uma empresa patrocinadora do evento, de modo que eu posso conseguir um ingresso. Nós nos habituamos a ver a violência do nosso País nos telejornais. Acho que os Jogos Olímpicos trarão algo de reconfortante. Estou feliz porque os atletas e espectadores irão conhecer a beleza da cidade e a bondade do povo brasileiro.”

 

 

 

 Fonte: Facebook Príncipe Dom Rafael do Brasil