Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog_Real - O Blog das Monarquias

Siga as actividades da realeza e fique a conhecer melhor as monarquias da Europa e do Mundo.

Blog_Real - O Blog das Monarquias

Siga as actividades da realeza e fique a conhecer melhor as monarquias da Europa e do Mundo.

As Monarquias - Monarquia da Dinamarca

17.12.14, Blog Real

17834076_6Oh2L.jpeg

H.M. Dronningen.jpg

A monarquia dinamarquesa possui mais de 1000 anos de idade, tornando-a quarta mais antiga monarquia contínua no mundo ainda existente; a mais velha é a Casa Imperial do Japão.

A família real dinamarquesa remonta a Gorm, o Velho (enterrado em 958 em Jelling na Jutlândia) e o seu filho Harald I da Dinamarca, que transferiu a capital real para Zelândia. Esses são os dois primeiros reis que estão certamente relacionados à unificação da Dinamarca. Originalmente, a monarquia era eletiva, mas na prática o filho mais velho do monarca reinante era eleito. Mais tarde, uma carta coroação da Dinamarca foi assinada pelo rei para restringir os poderes do monarca dinamarquês. A Casa Real atingiu seu auge com os "Valdemars", cuja influência se estendeu na maior parte da região Báltica e, mais tarde, novamente com a Margrethe I, que uniu a Escandinávia na União de Kalmar.

O último monarca da dinastia antiga dinamarquesa foi Cristóvão III, que morreu em 1448. O Duque de Oldemburgo foi escolhido como seu sucessor e se tornou-se o monarca da Dinamarca sob o nome de Christian I. O último monarca dinamarquês da dinastia real, Frederik VII, morreu sem herdeiros. De acordo com o ato de sucessão, o príncipe Christian de Glücksborg aderiria ao trono, sendo o primeiro monarca dinamarquês da casa de Glücksborg.

Depois que as linhagens diretas se extinguiram, o conde principesco Christian de Oldemburgo foi eleito, em 1448, rei da Dinamarca sob o nome de Christian I. Ele também era duque de Schleswig e conde de Holstein. Ele descendia da Casa Real dinamarquesa por linhas femininas em inúmeras gerações.

O absolutismo foi introduzido em 1660-1661, quando a monarquia eletiva foi transformada em uma monarquia hereditária. De tal forma, Svend II, o sobrinho de Knud II, o Grande, era filho da irmã de Knud.

A velha monarquia dinamarquesa, com seus ritos eletivos tradicionais, existiu até 1661, quando Frederik III introduziu uma monarquia hereditária em sua descendência e de caráter político absolutista, tanto na Dinamarca, quanto na Noruega. Dentre outras coisas, a Lei Real de 1665 delimitou as condições relacionadas à Casa Real, e tais limitações mantiveram força mesmo após a introdução da monarquia constitucional por Frederik VII, sob os termos da constituição de 5 de Junho de 1849.

Com a morte de Frederik VII em 1863, sem sucessor direto ao trono, seu primo, o príncipe Christian de Glücksburgo , membro de um ramo colateral da Casa Real, reinante nos Ducados do norte da Alemanha e descendente direto da linhagem Real masculina, ascenderam ao trono como Christian IX. Assim, a dinastia passou a ser a Casa de Glücksborg.

De acordo com a constituição dinamarquesa, o monarca dinamarquês, como chefe de estado, é a fonte do poder executivo e, conjuntamente com o parlamento, o poder legislativo.

O monarca mantém a capacidade de negar a assinar um projeto de lei, diferentemente da monarquia do Luxemburgo. O monarca também tem o poder de escolher e destituir o primeiro-ministro, embora em tempos modernos esta prerrogativa tenha se tornado improvável, pois poderia causar uma crise constitucional. Como chefe de Estado, o monarca participa na formação de um novo governo. O rei Christian X foi o último monarca a exercer o poder de demissão do primeiro- ministro por sua própria vontade, o que fez em 28 de março de 1920, provocando a Crise de Páscoa de 1920. Todos os poderes reais chamados de Prerrogativa Real, como o poder de nomear ministros e a capacidade de declarar guerra e fazer a paz, são exercidos pelo primeiro-ministro e pelo gabinete, mas com o consentimento formal da rainha. Após consulta com os representantes dos partidos políticos, o líder do partido que tem o apoio do maior número de assentos no Parlamento dinamarquês é convidado a formar um governo. Uma vez que foi formado, o monarca irá designar formalmente a criação do governo. 

regentparrets-fællesside.jpg

Hoje, o soberano tem um papel essencialmente cerimonial restrito no exercício do poder por convenção e da opinião pública. Como uma figura pública, o monarca abre exposições, atende aniversários, inaugura pontes, etc. No entanto, o monarca faz continuar a exercer três direitos essenciais: o direito de ser consultado, o direito de aconselhar e o direito de alertar. Como conseqüência desses ideais, o primeiro-ministro e o gabinete assistem à reunião ordinária do conselho de Estado. O primeiro-ministro e o ministro dos negócios estrangeiros realizam relatórios regulares para o rei para aconselhá-la sobre os últimos desenvolvimentos políticos. A rainha recebe o rei sitas oficiais de chefes de estados estrangeiros.

Linha de Sucessão:

Danish_Royal_Family.jpg

A Sucessão Dinamarquesa ocorre através de primogenitura igualitária desde 2009. A Lei Dinamarquesa de Sucessão , adotada em 27 de março de 1953 restringe o trono aos descendentes de Christian X e sua esposa Alexandrina de Mecklemburgo-Schwerin, através de casamentos aprovados.

Os membros das dinastias perdem o direito ao trono se casarem sem a permissão do monarca dada no conselho de Estado. Indivíduos nascidos de herdeiros não casados ou que se casaram sem permissão real são excluídos do trono. Além disso, ao aprovar o casamento, o monarca pode impor condições que devem ser atendidas para que qualquer prole resultante tenha direitos de sucessão. A Parte II, Seção 9 da Constituição dinamarquesa de 5 de junho de 1953 prevê que o parlamento eleja um rei e determine uma nova linha de sucessão em uma situação onde não haja descendentes elegíveis do rei Cristiano X e rainha Alexandrine.

O monarca da Dinamarca deve ser um membro do Igreja Nacional Dinamarquesa, ou da Igreja Evangélica Luterana da Dinamarca. A Igreja Nacional é pela lei a Igreja do Estado, embora o monarca não seja seu chefe supremo (diferente da Inglaterra, onde o governador supremo da Igreja da Inglaterra é o monarca do Reino Unido, atualmente a rainha Elizabeth II) (Const, I, 4).

Os Palácios:

C8-og-F8.jpg

O Palácio de Amalienborg é a residência da Família real dinamarquesa em Copenhaga. Foi entre 1750 e 1768, a residência de famílias diferentes da nobreza dinamarquesa. O Palácio de Amalienborg tornou-se a residência real em 1794, quando um incêndio destruiu o Palácio Real, em Copenhaga.

Já que o Palácio de Amalienborg é considerado pela rainha Margrethe II da Dinamarca e da sua família como seu lar, seu verdadeiro lar, a família real dinamarquesa usa o Palácio de Christiansborg para todos os tipos de actos oficiais, as audiências, recepções e banquetes.

O Palácio de Fredensborg é outra das residências mais usadas da Família real dinamarquesa.
Outro palácio usado pela ramília real é o Palácio de Sorgenfri. Atualmente o palácio é fechado ao público, sendo aberto somente a família real danesa, mas os jardins são acessíveis a visitantes. Os atuais inquilinos do palácio são os condes de Rosenborg.

O Palácio de Gravenstein é uma residência real de verão localizada em Sønderborg, na Dinamarca.
O Palácio Eremitage tem sido o centro de caça real. Ele está à disposição da rainha Margrethe II da Dinamarca e é usada por exemplo para almoços oficiais.

O Palácio de Marselisborg é a residência de verão da rainha Margrethe II. Quando a rainha e a sua família ficam no palácio durante o verão, ocorre uma cerimônia de troca de guarda à tarde. O palácio não fica aberto ao público, mas o jardim, em especial o jardim das rosas da rainha, pode ser visitado quando a família real não está em Marselisborg.

O Château de Cayx é uma residência da família real da Dinamarca localizado a 20 km de Cahors, no sudoeste de França. O casal comprou o Château de Cayx em 1974. Os edifícios foram restaurados com grande cuidado e atenção ao detalhe, e o castelo tornou-se o ambiente descontraído para reuniões da família real dinamarquesa inteira e seus parentes franceses. O castelo não está aberto ao público.

C8-og-F8.jpg

Catedral de Roskilde:

A Catedral de Roskilde na cidade de Roskilde na ilha de Zelândia no leste da Dinamarca, foi a primeira catedral gótica construída em tijolo, e a sua edificação encorajou a expansão deste estilo Gótico de Tijolo por todo o Norte da Europa. Foi construída durante os séculos XII e XIII, e incorpora conceitos arquitectónicos tanto góticos como românicos. Foi a única catedral na Zelândia até ao século XX. 

A Catedral de Roskilde tem sido desde o século XV o principal mausoléu dos monarcas da Dinamarca, o que levou a diversos acrescentos e alterações, sobretudo de capelas fúnebres. Desde a Reforma Protestante em 1536 que a residência do bispo foi transferida para Copenhaga, que detém desde então o título de Bispo da Zelândia.

É uma das maiores atracções turísticas da Dinamarca, contando anualmente com mais de 125.000 visitantes. Ainda em funções como igreja, é igualmente palco de diversos concertos durante o ano.

Títulos:

Os monarcas da Dinamarca têm uma longa história de títulos nobres e reais. Monarcas dinamarqueses também usado historicamente o Rei dos Vênedos" e “Rei dos Godos".

Após a sua ascensão ao trono em 1972, a rainha Margarida II abandonou todos os títulos, exceto "Rainha da Dinamarca". O monarca da Dinamarca e seu cônjuge são tratadas como "Vossa Majestade", enquanto que príncipes e princesas são referidos como Sua Alteza Real(“Hans” ou “Hendes Kongelige Højhed”).

Eventos Anuais:

Recepção de Ano Novo

Aniversário da Rainha

Família Real Dinamarquesa:

princess-mary2--z.jpg

No Reino da Dinamarca, todos os membros da dinastia governante que detêm o titulo de príncipe ou princesa da Dinamarca são membros da família real dinamarquesa. Tal como acontece com outras monarquias europeias, distinguir quem é membro da família real nacional é difícil devido à falta de definição legal ou formal rigorosa de quem é ou não é um membro. A rainha e seus irmãos pertencem à Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg, um ramo da Casa de Oldenburg. Os filhos da rainha do sexo masculino por patrilinearidade à família Laborde de Monpezat.

Membros Principais:

A família real dinamarquesa:

  • Sua Majestadade a rainha Margrethe II
    Sua Alteza Real o príncipe consorte Henrik (esposo de Margrethe II)
    • Sua Alteza Real o príncipe herdeiro Frederik (filho mais velho da Rainha)
      Sua Alteza Real a princesa hereira Mary (esposa de Frederik)
      • Sua Alteza Real o príncipe Christian (filho mais velho dos príncipes herdeiros)
      • Sua Alteza Real a princesa Isabella (filha mais velha dos príncipes herdeiros)
      • Sua Alteza Real o príncipe Vincent (filho mais novo dos príncipes herdeiros)
      • Sua Alteza Real a princesa Josephine (filha mais nova dos príncipes herdeiros)
    • Sua Alteza Real o príncipe Joachim (filho mais novo da rainha)
      Sua Alteza Real a princesa Marie (segunda esposa de Joachim)
      • Sua Alteza Real o príncipe Nikolai (filho mais velho do príncipe Joachim e de Alexandra, Condessa de Frederiksborg)
      • Sua Alteza Real o príncipe Félix (filho mais novo do príncipe Joachim e de Alexandra, Condessa de Frederiksborg)
      • Sua Alteza Real o príncipe Henrik (filho do príncipe Joachim e da princesa Marie)
      • Sua Alteza Real a princesa Atena (filha da princesa Joachim e da princesa Marie)
  • Sua Alteza Real a princesa Benedikte (irmã de Margrethe II)
  • Sua Majestade a rainha Anne Marie (irmã de Margrethe II)
  • Sua Alteza a princesa Elizabeth (prima de Margrethe II)

Site Oficial: http://kongehuset.dk/