Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog_Real - O Blog das Monarquias

Siga as actividades da realeza e fique a conhecer melhor as monarquias da Europa e do Mundo.

Blog_Real - O Blog das Monarquias

Siga as actividades da realeza e fique a conhecer melhor as monarquias da Europa e do Mundo.

Princesa da Suécia chama-se Estelle Silvia Eva Mary

24.02.12, Blog Real

A princesa, nasceu na madrugada de ontem, é o segundo elemento na linha de sucessão ao trono e ostentará ainda o título de duquesa de Östergötland.

Princesa Estelle Silvia Eva Mary da Suécia. É este o nome escolhido para a filha dos príncipes da Suécia. O anúncio público foi feito pelo rei Carlos XVI Gustavo, avô da princesa, depois de uma reunião de Conselho de Estado.

Esta tarde decorre um te deum [hino litúrgico], na capela do Palácio Real de Estocolmo. Membros da Casa Real e representantes do governo sueco vão marcar presença na cerimónia real que irá assinalar o nascimento da princesa recém-nascida. As portas do salão nobre real abrem-se para os príncipes, Victoria e Daniel da Suécia, receberam felicitações pelo nascimento da primeira filha.

Estelle Silvia Eva Mary da Suécia nasceu na madrugada de quinta-feira, às 4h26, no Hospital Universitário Karolinska.

Friso poderá nunca recuperar do coma

24.02.12, Blog Real

Hoje, em conferência de imprensa, os médicos responsáveis pelo tratamento do príncipe Friso afirmaram que o tempo que o cérebro esteve sem oxigénio, cerca de 50 minutos, causou danos irreversíveis. O príncipe encontra-se em coma profundo e, segundo os médicos, poderá nunca acordar. 

Os médicos revelaram também que a família já se encontra à procura de uma clínica de recuperação onde o príncipe possa ficar. 

Morreu Maria Adelaide de Bragança van Uden

24.02.12, Blog Real

2012-02-24-pjf-missa021

Maria Adelaide de Bragança van Uden, 100 anos, neta do rei D. Miguel, morreu hoje na Caparica, disse à Lusa um dos seus filhos, que adiantou que as cerimónias fúnebres decorrerão "em ambiente familiar".

"Haverá, no entanto, missa de sétimo dia no Mosteiro dos Jerónimos, na próxima quinta-feira às 20:00", disse à Lusa Francisco de Bragança van Uden.

A infanta Maria Adelaide no passado dia 31 de janeiro, quando completou 100 anos, foi condecorada com o grau de Grande Oficial da Ordem de Mérito Civil pelo Presidente da República, num jantar realizado em Lisboa em sua homenagem.

Maria Adelaide integrou a resistência austríaca aos nazis, esteve presa e veio viver para Portugal, onde criou a Fundação Nun’Álvares Pereira para apoio aos carenciados.

"É um exemplo de vida pela estatura moral", disse à agência Lusa Raquel Ochoa, autora de uma biografia da infanta editada em maio do ano passado.

Maria Adelaide de Bragança é tia do atual duque de Bragança, Duarte Pio de Bragança, filha do exilado D. Miguel, da linha dinástica banida de Portugal pela Convenção de Évora Monte, de 1834, após a derrota do rei D. Miguel, o absoluto, pelas tropas liberais que apoiavam o irmão, D. Pedro IV, que proclamou a independência do Brasil, e sua filha, D. Maria II.

Referindo-se à atividade de Maria Adelaide como resistente aos nazis, na Áustria, Raquel Ochoa considerou que é “um ato heróico, mas quando questionada sobre a questão, D.Maria Adelaide apenas afirma que foi uma reação natural com algo com que não concordava. Era-lhe impossível viver num mundo assim”.

“A resistência era como respirar, perante a educação que tinha tido e os ideais que tinha. Não resistir é que era uma violência contra ela mesma. Resistir era um ato natural”, explicou a biógrafa.

Maria Adelaide foi detida pelas tropas nazis, tendo sido salva de fuzilamento “in extremis” após várias diligências de António Oliveira Salazar, então presidente do Conselho de Ministros, que se indignou por terem prendido uma infanta portuguesa.

A autora sublinhou que Maria Adelaide de Bragança van Uden “teve outros atos heróicos”, referindo o seu trabalho “como assistente social em prol das populações desfavorecidas” na margem sul do Tejo, desenvolvido de “forma discreta”.

“Ela [Maria Adelaide] percebeu que através da discrição não era notada nem perseguida, além de, por educação, não gostar de fazer alarde do que faz. Há zero de gabarolice nesta família, o que é a antítese da sociedade em que vivemos”, disse.

Esta ação social foi feita no âmbito da Fundação Nun'Álvares Pereira que se diluiu após o 25 de abril de 1974.

Referindo-se à posição da infanta ao regime que antecedeu a revolução de 1974, Raquel Ochoa afirmou que “reconheceu Salazar como quem pôs em ordem as contas do Estado, mas insurgiu-se sempre contra os métodos usados”.

Na obra, intitulada “D. Maria Adelaide de Bragança. A Infanta Rebelde”, com chancela da Oficina do Livro, Duarte Pio de Bragança diz no prefácio que a tia é“um exemplo”.

Maria Adelaide nasceu em Saint Jean de Luz, França, a 31 de janeiro de 1912, tendo sido padrinhos a rainha D. Amélia e o rei D. Manuel II, já no exílio.

Em 1949, com 37 anos, Maria Adelaide de Bragança fixou residência na Costa de Caparica.

Pág. 1/7